Resenha: Mentirosos

by - janeiro 01, 2015

Os Sinclair são uma família rica e renomada, que se recusa a admitir que está em decadência e se agarra a todo custo às tradições. Assim, todo ano o patriarca, suas três filhas e seus respectivos filhos passam as férias de verão numa ilha particular. Cadence – neta primogênita e principal herdeira –, seus primos Johnny e Mirren e o amigo Gat são inseparáveis desde pequenos, e juntos formam um grupo chamado Mentirosos. Cadence admira Gat por suas convicções políticas e, conforme os anos passam, a amizade com aquele garoto intenso evolui para algo mais. Mas tudo desmorona durante o verão de seus quinze anos, quando Cadence sofre um estranho acidente. Ela passa os próximos dois anos em um período conturbado, com amnésia, depressão, fortes dores de cabeça e muitos analgésicos. Toda a família a trata com extremo cuidado e se recusa a dar mais detalhes sobre o ocorrido... até que Cadence finalmente volta à ilha para juntar as lembranças do que realmente aconteceu.

Número de páginas: 271
ISBN: 978-85-65765-48-0
Autora: Emily Lockhart
Tradutora: Flávia Souto Maior
Editora: Seguinte
Idioma: português 
Gênero:  Literatura Estrangeira - Mistério - YA
★★★


Acho que esse é um dos livros mais falados dos últimos tempos e foi esse motivo que me levou a ler. Normalmente acho que não seria um livro que chamaria minha atenção, porém, além do sucesso que estava fazendo, havia um grande mistério envolvendo seu final: no final da história há uma nota falando para o leitor não divulgar o que acontece para não estragar a experiência de leitura de ninguém. Claro que sendo uma pessoa extremamente curiosa como eu sou, tive que ler. Então vem ver o que eu achei ;)

O que me chamou a atenção logo de cara nesse livro foi a escrita de Emily, meio poética em alguns trechos. Nunca tinha lido nada assim, e gostei bastante. A história começa com uma Cadence fragilizada e sofrendo com terríveis enxaquecas desde o dia de seu traumático acidente no verão de seus 15 anos na ilha particular da família Sinclair. Há um grande mistério em torno desse acidente, Cadence não se lembra do que aconteceu e sua família também não lhe dá nenhuma informação sobre esse dia. 

Junto com as memórias de Cadence, retratadas aos poucos, vamos conhecendo um pouco mais da família Sinclair e coletando pequenas peças do quebra-cabeças que envolve o acidente. Cadence também nos apresenta aos Mentirosos, grupo formado por ela, seus primos Johnny e Mirren e um amigo de Johnny, Gat, de quem ela gosta. São retratadas histórias dos verões dos Mentirosos desde que tinham 14 anos, até o verão dos 17, quando Cadence volta para a ilha pela primeira vez após o acidente. Uma coisa que gostei são os pequenos contos infantis escritos por Cadence, intercalados com suas memórias, quase sempre sobre um rei e suas filhas, que são uma espécie de metáfora para a história de sua família. 

De volta a ilha, Cadence começa a ter lembranças do verão dos 15 e dos dias que antecederam seu acidente, o que culmina no final super misterioso do livro, onde ela finalmente lembra do que aconteceu. Não posso dizer que o final foi uma completa surpresa pra mim, porque eu não consigo esperar o final do livro para descobrir as coisas, durante a leitura vou criando mil teorias mirabolantes sobre o que aconteceu conforme vou descobrindo mais fatos da história. Então, à medida que ia me aproximando do final do livro, imaginei algo parecido com o desfecho. Mas mesmo assim gostei bastante, foi um final que me satisfez e achei bem diferente de outros livros que já li e sem pontas soltas. Quanto aos personagens, não gostei particularmente de nenhum e achei a Cadence chatinha, mas isso não atrapalhou meu interesse pela história. 

Esse livro me fez refletir também. Muitas vezes pensamos que a vida das outras pessoas é perfeita por ela ser rica ou bonita, ou por alguma outra coisa que ela possui. E aparentemente Cadence seria uma dessas pessoas com a vida perfeita. Ela é bonita, neta de um homem muito rico e passa todos seus verões numa ilha particular...não poderia ser mais perfeito, né?! Porém, conforme vamos conhecendo mais da família, vemos que ela não é tão perfeita assim, que essa riqueza toda resulta em muito egoísmo, preconceito e problemas familiares, além de uma necessidade constante de manter as aparências, por mais que a pessoa se encontre numa situação ruim. Obviamente nem toda família super rica é dessa maneira, mas mesmo assim, é algo que me fez pensar. 

Gostei bastante da capa, ela é meio "emborrachada" e prateada, achei bem bonita. Outro detalhe que achei interessante foram as ilustrações do início, que mostra a Ilha Beechwood e a árvore genealógica da família Sinclair. Achei o mapa da ilha bastante útil para ser acompanhado junto com a história e ver direitinho onde aconteceu cada coisa. O livro possui orelhas, páginas amareladas e uma boa diagramação.





Leitura recomendada!

Você também pode gostar de

0 comentários

Obrigada por comentar!