Nesse mês li menos livros do que de costume, mas foram leituras que eu gostei muito de ter feito, com exceção de uma. 



1 - Noturnos - John Connolly (Resenha)

Sinopse: Crianças acreditam que monstros são reais. Adultos tentam convencê-las do contrário — ou de que, no final, eles sempre serão derrotados. Nesta que é sua primeira coletânea de contos, John Connolly escreve sobre os mundos infantil e adulto em confronto em dezesseis histórias absolutamente assombrosas, com ecos de alguns dos mestres do horror — M.R. James, Ray Bradbury, Stephen King —, mas sem abrir mão da voz única e inconfundível que o consagrou em O Livro das Coisas Perdidas. Amores perdidos, crianças desaparecidas, demônios predatórios e fantasmas vingativos são apenas alguns dos ingredientes que compõem esta imperdível antologia.

Não li muitos livros de contos, mas acho que esse foi o meu preferido até agora. Gostei muito da atmosfera de mistério criada pelo autor, que te faz ficar preso à história, mesmo quando ela tem algumas poucas páginas. A parte do terror é mais puxada para o psicológico do que para aquele tipo de terror com elementos sobrenaturais que tiram seu sono. 
As temáticas dos contos são bem variadas e acho que é um livro que pode agradar diferentes tipos de leitores, até os mais medrosos como eu hehe. 

2- O Mundo Perdido - Michael Crichton (Resenha)

Sinopse: Seis anos se passaram desde os terríveis acontecimentos no Jurassic Park. Seis anos, desde que o sonho extraordinário, nos limites entre a ciência e a imaginação humana, acabou se tornando um trágico pesadelo. A Isla Nublar não era o único lugar usado por John Hammond em suas pesquisas genéticas de ponta. Agora, o matemático Ian Malcolm e uma equipe de cientistas – além de certos “pequenos clandestinos” – devem explorar outra ilha na Costa Rica, repleta dos mais perigosos dinossauros que já caminharam pela Terra.

Continuação incrível de Jurassic Park! Esse livro me surpreendeu muito, porque achei que talvez não gostasse tanto gostei do primeiro, mas felizmente não foi o que aconteceu. Os personagens são mais envolventes e a trama pode parecer um pouco mais parada no início, mas é só ilusão. E mesmo as partes mais paradas me agradaram demais. Foi um favorito do ano e eu recomendo muito a leitura! 

3 - Açúcar de Melancia - Richard Brautigan (Resenha)

Sinopse: Uma breve novela fantástica, escrita por um ícone da contracultura americana na década de 1960 e, pela primeira vez, publicada no Brasil. De maneira sarcástica e um tanto nonsense, Brautigan conta episódios passados em ''Eu Morte'', um lugar onde quase tudo é feito de açúcar de melancia. Com uma linguagem original e poética, o autor nos transporta para um ambiente surrealista, mas que também se assemelha ao cotidiano banal de uma pessoa comum. Uma crítica bem-humorada à mecanicidade das nossas ações.

Esse foi um livro que definitivamente não funcionou pra mim. Interpretei mal a sinopse e acabei achando que seria uma fantasia meio Neil Gaiman, mas para mim foi uma história sem pé nem cabeça do começo ao fim. Eu realmente quis gostar e me esforcei pra isso, porque esse livro é considerado favorito da vida de muita gente, mas não teve como. Simplesmente senti um grande nada com a leitura. Expliquei um pouco melhor os motivos na resenha, para quem estiver interessado. 

4 - It Ends With Us - Collen Hoover 

Sinopse: Lily hasn't always had it easy, but that's never stopped her from working hard for the life she wants. She's come a long way from the small town in Maine where she grew up - she graduated from college, moved to Boston, and started her own business. So when she feels a spark with a gorgeous neurosurgeon named Ryle Kincaid, everything in Lily's life suddenly seems almost too good to be true.
Ryle is assertive, stubborn, and maybe even a little arrogant. He's also sensitive, brilliant, and has a total soft spot for Lily, but Ryle's complete aversion to relationships is disturbing.
As questions about her new relationship overwhelm her, so do thoughts of Atlas Corrigan - her first love and a link to the past she left behind. He was her kindred spirit, her protector. When Atlas suddenly reappears, everything Lily has built with Ryle is threatened.

Nunca tinha lido nada da autora e durante grande parte do livro, ele me pareceu apenas mais um romance, com um clichê aqui, outro ali. Mas li por indicação de uma amiga e ela havia me falado que era um livro bem diferente de outros que a Collen Hoover já havia escrito, então insisti na leitura. Não me levem a mal, não tenho nada contra livros de romance, mas não costumam ser os meus preferidos.
E de fato ele é bem diferente do que eu tinha imaginado. Ele toca em questões bem complicadas e profundas, que envolvem temas como relacionamentos abusivos, pais negligentes, mas também trata de amor e amizade em suas mais diversas formas. 
É uma leitura que recomendo bastante! Porém, por enquanto o livro não foi publicado em português.